É sempre um grande prazer receber notícias de ex-utentes da ART e perceber que estes conseguiram dar um novo rumo à sua vida. Desta vez é o jovem Miguel Romero que nos vai contar a sua história e que, mais uma vez, nos prova que a mudança é possível. Tal como Nelson Mandela disse “tudo parece impossível, até que seja feito”.

   “Eu chamo-me João Miguel Romero Pereira, tenho neste momento 18 anos e vivo em Köln, Alemanha. Antes de entrar na ART eu tinha problemas com a agressividade, com drogas e problemas familiares. Quando entrei na ART estava revoltado com o mundo: tinha 17 anos e na minha cabeça ninguém mandava em mim, era eu o rei do meu mundo. Antes de ir para a ART estive em 3 instituições e nenhuma me conseguiu ajudar. Entrei na ART sem esperança, achei que não havida nada que me pudesse mudar e a ART provou-me que estava enganado. Foram batalhas complicadas, mas a equipa sempre esteve comigo e ainda hoje, sinceramente, não sei como agradecer pelo que fizeram por mim. Foi através de limites, regras, carinho, atenção, amor, disponibilidade que tinham para me ouvir com atenção e olhando nos olhos que me ajudaram. Foram tantos os conselhos. Eu na ART consegui encontrar coisas que não tinha antes: a felicidade, respeito, aprender a ouvir, compreender as pessoas, a ter palavra… A ART ensinou-me a ser um Homem e esta será uma dívida boa que vou ter para o resto da minha vida.

   Quando saí da ART não foi fácil, mas venci. Acabei a carta de condução, vim para a Alemanha e quando cá cheguei percebi que empregos que me tinham prometido não os tinha. Estive à procura de trabalho durante algum tempo e agora estou a aprender a profissão de pedreiro e estou a gostar muito. Foi a ART que me mostrou que era possível e que me deu as ferramentas para lutar pela minha vida.

   Costumo comparar a minha passagem na ART a um piloto de avião que tem o avião nas mãos mas não sabe as coordenadas e na ART é como se me dessem as coordenadas e me ensinassem a pilotar novamente.

FAÇA CHUVA OU FAÇA SOL, PELA ART VALE O SACRIFÍCIO!”

Texto pelo ex-utente Miguel Romero.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *